na noite do primeiro encontro
com os olhos sem imensidão
de chorar, esperar amanhecer
me diz quando é que a gente vai

como um rio sem janeiro
meu fevereiro sem carnaval

eu nunca estive lá
mas meus olhos vão e já não vou ficar
pra quem não sabe muito eu vou cantar
e quem sabe um sabiá

pra trazer uma nova manhã
pra mim e pra sua irmã
ela segue costurando
as cicatrizes do verão